Lendas do Futebol - Pelé

Lendas do Futebol - Pelé

Edson Arantes do Nascimento nasceu a 23 de outubro de 1940, no estado de Minas Gerais, no Brasil. O seu pai era jogador do Fluminense. Edson viria a ser conhecido por Pelé ainda na escola devido à forma como pronunciava o nome do seu jogador favorito, Bilé, guarda-redes do Vasco da Gama.

Pelé acabou por passar parte da sua infância em São Paulo. Como a sua família era pobre, o futuro craque começou muito novo a trabalhar como empregado de mesa. Dondinho, o seu pai, ensinou-o a jogar futebol, mas como não havia dinheiro para comprar bolas de futebol, Pelé costumava jogar com uma meia cheia de jornais velhos.

O brasileiro começou por jogar futebol em algumas equipas amadoras e chegou a vencer dois campeonatos enquanto júnior com o Bauru Athletic Club. No entanto, também encontrou sucesso a jogar futsal, uma modalidade ainda pouco conhecida na altura. Essa passagem pelo futsal foi descrita por Pelé como uma época em que aprendeu coisas muito importantes, sobretudo a pensar rápido. Além disso, o futsal permitiu a Pelé jogar com adultos enquanto ele tinha apenas 14 anos.

Santos Futebol Clube

Pelé participou nas captações do Santos em 1956. Foi contratado de imediato e assinou o seu primeiro contrato profissional em junho do mesmo ano. Estreou-se também em 1956, em setembro, com apenas 15 anos e era frequentemente descrito como um jogador com potencial para ser uma estrela. Marcou o seu primeiro golo logo nesse jogo contra o Corinthians.

Na época seguinte, Pelé conseguiu sagrar-se o melhor marcador da competição e nessa mesma época foi chamado à Seleção Brasileira com 16 anos. Depois dos Mundiais de 1958 e 1962, Pelé despertou a atenção de vários gigantes europeus como o Real Madrid, a Juventus e o Inter de Milão, tendo chegado a assinar um contrato com os Nerazzurri. Contudo, depois da onda de protestos dos adeptos do Santos, o presidente do clube brasileiro pediu que o contrato fosse anulado.

Na sua longa carreira ao serviço do Santos, Pelé venceu duas Taças dos Libertadores. Uma em 1962 e outra em 1963. Esta última ficou marcada por ser a primeira vez que uma equipa brasileira vencia a Libertadores em solo argentino.

Enquanto jogador do Peixão, Pelé arrecadou seis campeonatos do Brasil, duas Taças Intercontinentais, uma Supertaça Sul-Americana, dez Campeonatos Paulistas, entre outros títulos de menor expressão.

New York Cosmos

No final da temporada de 1974, a sua 19ª temporada pelo Santos, Pelé declarou que não jogaria mais por clubes brasileiros embora tivesse continuado a disputar alguns jogos oficiais pelo Peixão. Dois anos depois, o brasileiro assinaria contrato com os americanos do New York Cosmos. Na altura, mesmo não sendo conhecidos os valores exatos, Pelé era considerado o atleta mais bem pago do mundo. Foi contratado também numa estratégia de marketing e o interesse em trazer o astro brasileiro era tão grande que o Secretário de Estado dos EUA na altura, Henry Kissinger, enviou um telegrama ao chanceler brasileiro para que este ajudasse a levar Pelé para os Estados Unidos. A sua contratação seria anunciada oficialmente no dia 10 de junho de 1975. Cerca de duas semanas depois, Pelé era recebido por Gerald Ford, presidente americano, na Casa Branca. No entanto, não era a primeira vez que Pelé conhecia um Presidente dos EUA. Dois anos antes, a lenda brasileira já tinha estado na Casa Branca onde autografou uma bola de futebol para oferecer a Richard Nixon.

Pelé estreou-se pelo Cosmos no dia 15 de junho num empate a dois contra o Dallas Tornado. O brasileiro marcou e deu a marcar. O encontro teve uma lotação nunca antes vista e foi transmitido para cerca de 30 países.

Mesmo já não estando na melhor fase da sua carreira, Pelé conseguiu aumentar consideravelmente a fama do futebol em solo americano. A média de espetadores por jogo rondava os 10 mil antes de Pelé chegar e passou para 34 mil no ano da sua estreia. A estratégia de marketing foi sem dúvida um tremendo sucesso.

Ao todo, Pelé marcou 37 golos e fez 30 assistências ao serviço do clube, tendo vencido um campeonato na sua terceira e última época. Com o brasileiro em campo, o recorde de assistências por jogo foi batido três vezes. Atualmente ainda há lojas nos EUA com merchandising alusivo a Pelé. A sensibilização de Pelé para o futebol foi tão grande que a República Dominicana tentou repetir a fórmula com a disputa de um jogo amigável entre o Cosmos e o Violette FC. Mais de 25 mil espetadores assistiram ao golo de Pelé nos últimos instantes da partida. O Cosmos acabaria por vencer por 2-1.

            No dia 1 de outubro de 1977, Pelé pendura as botas num amigável entre os seus dois clubes: Santos e Cosmos. A partida foi transmitida um pouco por todo o mundo e teve alguns espetadores muito conhecidos como o pugilista Muhammad Ali e o futebolista Bobby Moore. No seu discurso de despedida, Pelé pediu ao público que repetisse três vezes a palavra “Love” (amor). Esse pedido serviria de inspiração a uma música de Caetano Veloso (Love, Love, Love).

Seleção Brasileira

Em 1957, o selecionador brasileiro estava com algumas dificuldades em convocar jogadores. Assim sendo, optou por convocar a maioria dos jogadores do Campeonato Paulista. Pelé estreou-se pela Seleção Brasileira com 16 anos e nove meses, num jogo contra a Argentina. Nesse dia, bateu o recorde do mais jovem jogador a marcar pela Seleção. Apesar da derrota por 2-1, nascia uma estrela. No segundo confronto contra a Argentina (Copa Roca), Pelé trocou a camisola 13 com que se tinha estreado pela 8 e marcou novamente. O Brasil venceu o jogo por duas bolas a zero e sagrou-se campeão.

No Mundial de 1958, o selecionador brasileiro foi aconselhado a não convocar Pelé uma vez que o jogador do Santos não parecia ter maturidade suficiente para uma competição tão grande. Felizmente, o conselho foi descartado e Pelé acompanhou a Seleção Brasileira à Suécia, com apenas 17 anos.

Foi neste Mundial que Pelé começou a envergar o mítico número 10. Ficou no banco nos dois primeiros jogos acabando por conseguir a titularidade no terceiro jogo que o Brasil estava obrigado a vencer para avançar no torneio.

Ao lado de outro craque, Garrincha, Pelé foi essencial na vitória do Brasil por 2-0. Mesmo não tendo marcado nenhum golo, fez uma assistência e ainda fez um remate perigoso ao poste. No jogo seguinte, contra o País de Gales, Pelé fez o gosto ao pé e esse golo foi considerado posteriormente como o mais bonito do Mundial. Mais uma vez, bateu o recorde de jogador mais jovem a marcar no mundial com 17 anos e 239 dias. Dias mais tarde, bateu um novo recorde quando marcou um hat-trick contra a França. No dia 29 de junho de 1958, Pelé sagrou-se pela primeira vez Campeão do Mundo e, sem surpresas, o mais jovem de sempre a conseguir tal feito. Além disso, marcou dois golos na final contra a Suécia. A emoção foi tanta que Pelé desmaiou no final do jogo sendo acordado por Garrincha. Esta vitória foi especialmente sentida porque era a primeira final para o Brasil depois da derrota em casa oito anos antes contra o Uruguai.

Depois do Mundial, Pelé participou na Copa América de 1959. Marcou em cinco dos seis jogos disputados, num total de 8 golos que o levaram a ser o artilheiro do torneio. Foi a única Copa América disputada por Pelé e o Brasil não foi além de um segundo lugar

No Mundial de 1962, Pelé já tinha o estatuto de melhor jogador do mundo. No entanto, depois de uma exibição com golos na primeira partida, Pelé lesionou-se no jogo seguinte e não disputou mais nenhum jogo do Mundial. Seria substituído por Amarildo, mas o verdadeiro líder da equipa acabou por ser Garrincha. O Brasil acabaria por conquistar o bicampeonato com uma vitória por 3-1 contra a Checoslováquia.

Quatro anos depois, em 1966, no Mundial de Inglaterra, Pelé viria a cruzar o seu caminho com Eusébio, uma vez que Portugal e Brasil ficaram no mesmo grupo. Nesse Mundial, Pelé tornou-se no primeiro jogador a marcar em três mundiais consecutivos. Ainda no primeiro jogo, Pelé lesionou-se e acabou por falhar o jogo seguinte contra a Hungria. No terceiro e decisivo jogo contra Portugal, Pelé sofreu duas faltas de João Morais e uma vez que o Brasil já tinha esgotado as substituições, o brasileiro permaneceu em campo até ao final do jogo com muitas queixas e a mancar consideravelmente. No final do Mundial, Pelé afirmou que não voltaria a jogar mais nenhum Mundial, uma vez que parecei magoar-se sempre e não ter muita sorte. No entanto, Pelé acabaria por reverter a sua decisão.

Em 1970, no Mundial do México, a Seleção Brasileira entrava em campo sem muitos craques que já se tinham aposentado (Garrincha, Djalma, Gilmar). Havia uma aura de renovação na Canarinha. Mesmo assim, a Seleção Brasileira de 1970 ainda é considerada por muita gente como a melhor seleção de sempre. O Brasil acabaria mesmo por vencer novamente o Mundial com Pelé a vencer a Bola de Ouro do torneio e a fazer o gosto ao pé em quatro ocasiões, incluindo um golo na final (4-1 contra a Itália).

O ano seguinte marcaria a despedida de Pelé ao serviço da Canarinha com um jogo no Maracanã contra a Jugoslávia.

Depois do futebol

Atualmente, Pelé está com 81 anos e recentemente tem tido alguns problemas de saúde. Depois de ter pendurado as chuteiras, Pelé tornou-se embaixador do futebol brasileiro tem sido Ministro do Desporto no Brasil. Marcou mais de 1200 golos ao longo da sua carreira e vários recordes foram quebrados apenas por jogadores que ainda atuam como Messi e Lewandowski.

Ligações Rápidas