Lendas do Futebol - Ronaldo

Ronaldo Fenómeno
Blackcat, CC BY-SA 4.0 httpscreativecommons.orglicensesby-sa4.0, via Wikimedia Commons

Ronaldo Luís Nazário de Lima nasceu a 18 de setembro de 1976, na cidade do Rio de Janeiro, no Brasil. O Fenómeno desistiu da escola pouco depois de completar onze anos para se dedicar ao sonho de tornar-se futebolista. O seu primeiro clube foi o Social Ramos, uma equipa de futsal, modalidade essa que Ronaldo acabou por destacar como tendo sido muito importante para o desenvolvimento das suas habilidades. Pouco tempo depois, Ronaldo seria observado por Jairzinho (campeão do mundo pelo Brasil em 1970). Assim, o Fenómeno foi jogar para o São Cristóvão e foi subindo rapidamente os diferentes escalões de formação. Jairzinho acabaria por recomendar Ronaldo ao seu antigo clube, o Cruzeiro.

 

Cruzeiro

Apesar do interesse do Botafogo e do São Paulo, Ronaldo acabaria por juntar-se ao Cruzeiro. Ainda tentou a sua sorte com o Flamengo, a sua equipa preferida, mas foi rejeitado depois de ter faltado ao treino.

Marcou quatro golos na sua estreia pela equipa de juniores do Cruzeiro e três meses depois de chegar, fez a sua estreia profissional num jogo do Campeonato Estatal de Minas Gerais contra o Caldense.

O Fenómeno atraiu a atenção do público no dia 7 de novembro de 1993 num jogo contra o Bahia, tendo marcado cinco golos. Num tour por Portugal, Ronaldo impressionou e acabou por tornar-se titular. Alegadamente, o FC Porto tentou comprar o seu passe, mas o presidente do Cruzeiro rejeitou a oferta.

Ao todo, Ronaldo marcou 44 golos em 47 jogos pelo Cruzeiro. Venceu uma Taça do Brasil em 1993 e um Campeonato Estatal de Minas Gerais no ano seguinte.

 

PSV Eindhoven

Depois de fazer parte da equipa do Brasil no Mundial de 1994 (e de ter vencido a competição), Ronaldo decidiu juntar-se à equipa do PSV Eindhoven, seguindo um conselho de Romário que já tinha jogado anteriormente pela equipa holandesa.

Na sua estreia pelo PSV, Ronaldo marcou com apenas dez minutos de jogo. Nessa mesma época, viria a marcar um total de 30 golos na liga. A forma como fintava os adversários foi sempre elogiada por vários futebolistas, como Rudi Voller e Luis Enrique. Tudo parecia fácil para Ronaldo.

Na sua segunda época pelo PSV, Ronaldo sofreu uma lesão no joelho (algo que viria a tornar-se muito frequente ao longo de toda a sua carreira) e falhou grande parte dos jogos. Ainda assim, conseguiu ter uma média de quase um golo por jogo, totalizando 19 golos em 21 jogos. Ao serviço dos holandeses, Ronaldo ganhou uma Taça Holandesa em 1996 e foi o melhor marcador da Eredivisie em 1995. Fez 54 golos em 58 jogos.

Barcelona

A Europa já começava a aperceber-se do talento do brasileiro e tanto o Barcelona como o Inter de Milão não queriam deixar passar a oportunidade de contratar Ronaldo. Mas foram os catalães a pagar os 19 milhões e meio, estabelecendo, na altura, uma transferência recorde.

Durante a época de 1996-97, Ronaldo marcaria 47 golos em 49 jogos em todas as competições, mantendo a sua média incrível de quase um golo por jogo. Ajudou o Barcelona a vencer a Taça Uefa, tendo marcado na final. Ganhou também uma Copa del Rey e uma Supertaça de Espanha. Em 1997, foi o melhor marcador de La Liga ao marcar 34 golos em 37 jogos, tendo conquistado também a Bota de Ouro (melhor marcador nos campeonatos europeus). No final de 1996, tornou-se o jogador mais jovem (20 anos) a ganhar o prémio de Melhor Jogador do Mundo da FIFA.

Inter de Milão

Ronaldo acabaria por jogar no Barcelona apenas durante uma temporada. Embora os Culés achassem que havia um acordo para a renovação do contrato. No entanto, esse acordo viria a ser anulado uma vez que os valores em questão não seriam justos para Ronaldo.

O brasileiro acabaria por transferir-se para o Inter de Milão, batendo mais uma vez o recorde de transferências: 27 milhões de dólares. Em 1997, o Fenómeno assinou um contrato válido para cinco temporadas e foi apresentado perante cerca de 4000 adeptos no campo de treinos.

Ronaldo adaptou-se bem ao futebol italiano e marcou 25 golos na Serie A na sua temporada de estreia tendo sido o melhor jogador da Serie A nessa época. Foi precisamente em Itália que recebeu a alcunha de “Il Fenomeno” pela imprensa. Ronaldo continuava a melhor as suas habilidades, era capaz de fazer mais assistências, tornou-se o marcador de grandes penalidades e ainda fez alguns golos através de livres. A meio da sua primeira temporada, ganhou novamente o prémio de Melhor Jogador do Mundo da FIFA e a sua primeira Bola de Ouro.

Em 1997-98, apesar de não ter conseguido vencer a Seria A, Ronaldo conseguiria vencer a Taça UEFA numa final totalmente italiana contra a Lazio. O Inter venceu o jogo por 3-0 e Ronaldo marcou um golo, acabando o torneio com um total de 6 golos marcados.

Ao longo da sua carreira no Inter, Ronaldo marcou várias vezes aos maiores rivais, o AC Milan. Além disso, todos os adeptos queriam ver os jogos entre Inter e a Fiorentina uma vez que de um lado jogava o Fenómeno e do outro, Gabriel Batistuta, os dois melhores avançados da Serie A.

Na temporada de 1998-99, Ronaldo falhou vários jogos por lesão ou por ter compromissos publicitários. Num jogo contra o Lecce, Ronaldo sofreu uma lesão grave no joelho e só voltou a jogar depois de cinco meses. O seu regresso aconteceria num jogo contra a Lazio para a Taça de Itália. Contudo, pouco depois de entrar em campo, na sua primeira finta, o joelho de Ronaldo não aguentou e a recuperação seria ainda mais lenta. Quinze meses depois, em 2001, Ronaldo voltaria a jogar gradualmente e o seu primeiro jogo oficial depois da lesão foi contra o Brasov num jogo para a Taça Uefa. No entanto, alguns estiramentos e contraturas fizeram com que o Fenómeno não jogasse muito naquela época.

Em 2001-02, Ronaldo continuou a ser utilizado com cautela. O Inter era líder do campeonato e os adeptos já sonhavam com o fim do jejum de doze anos. Mas o último adversário seria a Lazio. Ronaldo foi substituído durante o jogo que o Inter acabaria por perder por 2-4. O título foi para a Juventus e o jejum continuou.

Depois do incrível Mundial de Ronaldo em 2002, o Inter antecipava com alegria a temporada. Mas o Fenómeno, alegadamente descontente com a continuidade de Héctor Cúper, começou a forçar a sua saída da equipa italiana. A transferência acabaria mesmo por acontecer e Ronaldo saiu do Inter com uma Taça UEFA no palmarés. No total, marcou 59 golos em 99 jogos. Mesmo tendo sido apelidado de “Il Fuggitivo” pelos adeptos nerazzurri, Ronaldo foi uma das primeiras pessoas a fazer parte do “Hall of Fame” do Inter, criado em 2018.

Real Madrid

Ronaldo terá tentado voltar para o Barcelona, mas o clube catalão enfrentava dificuldades financeiras e não conseguia pagar a cláusula de rescisão do avançado. O Real Madrid avançou com 45 milhões de euros e contratou Ronaldo no último dia da janela de transferências.

A estreia de Ronaldo aconteceu num jogo contra o Alavés e o brasileiro marcou dois golos. Contudo, o início da carreira de Ronaldo no Real Madrid nem sempre foi fácil e ao longo da temporada foi vaiado várias vezes por não marcar tantos golos como seria de esperar. Esta desconfiança viria a terminar depois de um grande jogo contra o Manchester United em Old Trafford. Apesar da derrota, Ronaldo fez um hat-trick e o agregado permitiu aos Merengues avançarem para as meias-finais da Liga dos Campeões. Contudo, a Juventus voltou a ser um carrasco para Ronaldo e a equipa madrilena não conseguiu chegar à final. Ainda assim, Ronaldo conseguiria conquistar a La Liga e sagrar-se o melhor marcador da competição com 23 golos.

Ronaldo foi a terceira contratação da época galática do Real Madrid, seguindo os passos de Figo e Zidane. Em 2003-04, chegaria um novo galáctico que prometia aumentar exponencialmente as receitas de marketing: David Beckham. Contudo, apesar desta constelação de jogadores, o Real Madrid não conseguiu vencer o campeonato, perdeu a Copa del Rey e foi eliminado pelo Mónaco na Liga dos Campeões. A falta de títulos continuou nas duas épocas seguintes com a perda dos campeonatos para o rival Barcelona que acabaria por ganhar também uma Liga dos Campeões.

A época de 2006-07, o Real Madrid contratou Ruud van Nistelrooy. Com a perda de espaço na equipa e com as críticas recorrentes ao seu peso, Ronaldo decidiu deixar os merengues durante a temporada.

AC Milan

Ronaldo voltaria a Milão, mas ao contrário do que seria de esperar, assinou pelos rivais do Inter, o AC Milan. A equipa italiana começara o campeonato com oito pontos a menos, devido ao envolvimento no Calciocaos. Como Ronaldo já tinha disputado a Liga dos Campeões ao serviço do Real Madrid naquela época, não podia jogar pelo Milan. O brasileiro assistiu à vitória dos seus companheiros na tribuna.

O Fenómeno, constantemente criticado pelo seu peso, viria a descobrir que sofria de hipotireoidismo. Começou a ser tratado e iniciou a temporada 2007-08 com menos cinco quilos e meio. Também fez parte um trio Ka-Pa-Ro (Kaká, Pato e Ronaldo) mas nada que se assemelhasse aos Ma-Gi-Ca ou ao MSN.

A sua temporada seria curta. No dia 13 de fevereiro de 2008, Ronaldo lesionou-se num jogo contra o Livorno logo depois de substituir Gilardino durante a segunda parte. A temporada terminou com Ronaldo sem jogar e já com pouca vontade de continuar no AC Milan.

Corinthians

Depois de sair do Milan, Ronaldo demonstrou vontade de finalmente poder jogar pelo Flamengo. O craque brasileiro chegou a fazer alguns treinos no clube para recuperar da cirurgia ao joelho. Houve algumas conversas de parte a parte, mas a contratação não foi consumada.

No dia 9 de dezembro de 2008, Ronaldo foi anunciado como novo jogador do Corinthians. Mas o Fenómeno só faria a sua estreia em março, depois de passar alguns meses a tentar recuperar de lesões e a melhorar a sua condição física. O seu primeiro golo surgiria apenas no jogo seguinte, num clássico contra o Palmeiras.

Mesmo estando muito acima do peso ideal, Ronaldo foi um dos melhores jogadores da equipa. O Corinthians venceu o Campeonato Paulista e ainda uma Taça do Brasil e classificou-se para a Libertadores. Ronaldo finalizou a sua primeira temporada no Timão com um total de 23 golos marcados.

O ano seguinte não foi tão bom para Ronaldo novamente devido a lesões. Disputou apenas 27 jogos e marcou poucos golos. Acabaria por pendurar as chuteiras em 2011.

Ronaldo terminou a carreira com um total de 414 golos, uma Bola de Ouro e três prémios de Melhor Jogador do Mundo da FIFA.

Seleção Brasileira

Ronaldo foi convocado pela primeira vez para a equipa sénior em março de 1994, ano de Mundial, para um jogo contra a Argentina. Em maio, foi convocado para um amigável contra a Islândia tendo marcado um golo. Parreira convocou o Fenómeno para o Mundial de 1994, com apenas 17 anos. Mas Ronaldo não agradou nos treinos e acabou por não disputar nenhuma partida. Ainda assim, sagrou-se campeão do Mundo depois de ver os seus colegas vencerem a Itália na final.

            Ronaldo tardava em conseguir ganhar espaço na seleção principal; afinal, talento não faltava ao Brasil. Foi convocado para a Copa América de ’95 e, no ano seguinte, para a seleção olímpica. Os brasileiros tiveram de se contentar com o bronze depois da derrota nas meias-finais para a Nigéria.

            Em 1997, Ronaldo já era uma estrela mundial. Disputou a Copa América e venceu a competição numa final disputada contra a anfitriã Bolívia. O Brasil venceu o jogo por 3-1 e Ronaldo marcou um golo. A seguir, veio a Taça das Confederações e o Brasil, com a ajuda do Fenómeno, alcançou a sua primeira vitória da competição.

            O Mundial de 1998 chegou com Ronaldo a ser a referência do ataque brasileiro depois de Romário não ter sido convocado. O Mundial ficou marcado pela presença constante de jornalistas à volta de Ronaldo. O brasileiro demonstrava alguma apatia em campo. Ainda assim, Ronaldo marcou quatro golos na competição.

O Brasil acabou por chegar à final que seria disputada contra os organizadores do torneio, a poderosa França de Zidane. Antes do jogo, Ronaldo terá sofrido uma convulsão. Só deixou o hospital 75 minutos antes do início da partida e Zagallo acabaria por colocar Edmundo no seu lugar, no onze inicial. 40 minutos antes do início do jogo, Ronaldo declarou-se apto para jogar e dividiu a opinião do grupo, uma vez que alguns defendiam que não deveriam ser feitas mais alterações no onze e outros queriam que Ronaldo fosse a jogo. A partida foi desastrosa para Ronaldo e os franceses acabaram por vencer por 3-0.

Em 1999, Ronaldo é convocado para a Copa América e ajuda a equipa a vencer o torneio com cinco golos, tendo marcado um tento na final contra o Uruguai.

Depois da grave lesão sofrida no joelho, poucos esperavam que Ronaldo estivesse apto para o Mundial de 2002. Scolari decidiu convocar o Fenómeno mesmo com falta de ritmo de jogo. O brasileiro acabaria por marcar em todos os jogos exceto contra a Inglaterra. Na final contra a Alemanha, Ronaldo foi decisivo com dois golos. Depois da vitória no Mundial de 2002, Ronaldo voltaria a ser intocável na seleção e seria dispensado de jogos menos importantes. O brasileiro voltaria a participar numa grande competição no Mundial de 2006. Contudo, nesta altura, as grandes figuras do Brasil eram Ronaldinho, Kaká e Adriano. Juntamente com estes três jogadores, Ronaldo completava o “Quadrado Mágico”.

O Mundial de 2006 não correu da melhor maneira ao Brasil e Ronaldo estava muito longe da sua melhor forma física. Ainda assim, o avançado apresentou alguns momentos de brilhantismo e marcou três golos no torneio. Também foi neste Mundial que Ronaldo ultrapassou Muller como o melhor marcador em Mundiais. A França voltaria a ser o carrasco do Brasil e a canarinha seria eliminada nos quartos-de-final. Ronaldo não voltaria a ser convocado para a seleção.

Em 2011, Ronaldo fez o seu jogo de despedida de seleção num amigável contra a Roménia, que terminou com a vitória do escrete por 1-0. Ronaldo jogaria apenas meia hora na primeira parte.

Final de carreira

Ao longo da sua carreira como jogador, Ronaldo esteve muitas vezes envolvido em polémicas. O excesso de peso, o seu gosto por festas e até o facto de ter sido apanhado a fumar deram sempre que falar.

Depois de terminar a sua carreira, Ronaldo decidiu dedicar-se a uma carreira empresarial e fundou uma agência de marketing desportivo. Em 2014, ano em que o Brasil organizou o Mundial, Ronaldo foi membro do Comité Organizador.

Em setembro de 2018, Ronaldo tornou-se dono do Real Valladolid ao adquirir 51% das ações do clube por 30 milhões de euros.

Em 2021, Ronaldo tornou-se sócio maioritário do Cruzeiro Esporte Clube, a primeira equipa que representou profissionalmente.

Ligações Rápidas